domingo, 14 de junho de 2015

Um, dois, três passarinhos e outras histórias!

Passando pela livraria outro dia as cores do Livro O pássaro na gaiola ficou em minha mente. Como já estava saindo, pensei em ler em outra oportunidade. Depois num programa de TV cheguei no final do comentário de alguém e novamente o titulo. Fiquei intrigada, e como mágica o livro veio parar nas minhas mãos por uma amiga. Nada realmente é por acaso. O texto veio de uma carta de Vicent van Gogh ao seu irmão Theo, fala da situação de um pássaro que deseja algo que não sabe bem, de estar preso e não saber como se livrar daquelas grades e por fim reflete que só o amor o salvará, a verdadeira amizade. Vicent revela sua própria condição, de não ter o mesmo padrão esperado em outros pássaros, sua condição de dependência do irmão, em um texto lírico e lúdico ao mesmo tempo. Claro que terminei o texto muito comovida. Muito bom para falar sobre liberdade,  a busca de seus sonhos e sobre o valor de uma verdadeira amizade. Além disso traz a oportunidade de falar deste grande artista e fazer um passeio pelos seus quadros no endereço que segue.  O livro é da editora Pequena Zahar e a ilustração de Javier Zabala

http://www.vangoghgallery.com/


.http://krollermuller.nl/en/van-gogh-gallery?gclid=COikjIqWkMYCFZGPHwodiQcAxA



Auto Retrato de Vicent van Gogh



Falando em pássaros, divertido e excelente pra as crianças em alfabetização é o livro da série O Elefante e a Porquinha "Tem um pássaro na sua cabeça" de Mo Willems, editora Alfaguara. O autor brinca com a repetição de frases que uma hora vem como interrogação e outras como afirmativa, também faz relações com números. As imagens são maravilhosas. Malu  que tem seis anos decorou fácil a história e ficamos uma tarde encenando ela de várias formas com outra coleguinha, tínhamos esquecido o livro, mas o enredo é tão bem elaborado que permite essas brincadeiras. Fingia que tinha muitos pássaros na cabeça e que eles passavam de uma cabeça pra outra, ah! a outra amiguinha tem três anos e adorou a brincadeira. Algo também positivo com a história é que podemos relacionar os pássaros àquela pergunta que o pequeno tem vontade de fazer e não consegue, pois tem uma hora que o elefante tem vontade de pedir para os pássaros irem embora, fica sem coragem e a porquinha incentiva. Depois de perguntar tem um sim direto e os passarinhos mudam de sua cabeça. Algum momento semelhante? Já tive vários assim, risos. Então boa leitura!







2 comentários:

  1. Delicia, irmã. Seu blog tem gosto de infância. Sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Valeu Antonio Aruanda, fiquei feliz em saber que você sentiu o gosto de infância no blog, Agradecida, beijos.

    ResponderExcluir